A compra de mídia programática

Mercado programáticooutubro 30, 20183 Minutes

World Federation of Advertisers indica em pesquisas que profissionais globais de marketing apostam cada vez mais em mídia programática – duplicando o investimento em compra e venda de espaços publicitários.

Publicada na semana passada pelo Advertising Age, a pesquisa também afirma que cerca de 10% do orçamento de mídia digital está sendo investida em canais programáticos. O nível de entendimento, no entanto, deve atingir o nível de investimento, afirma Matt Green, gerente e marketing da WFA. Em relação ao ano passado a porcentagem destinada ao segmento dobrou, demonstrando um maior interesse dos investidores em mídia programática.

Marcas globais ligadas à compra de mídia programática: Coca-Cola Co., GlaxoSmithKline, Johnson&Johnson, Phillips, MasterCard e Deutsche Telekom.

É possível perceber, embasando-se nas respostas de 43 membros da WFA – que gasta U$ 35 bilhões anualmente em marketing – que as Trade Desks independentes (como a Publya) triplicaram desde o ano passado, mostrando a tendência à mídia programática como fator relevante na evolução da compra e venda de espaços.

Muitos profissionais de marketing não possuem conhecimento sobre como o processo se desenvolve. Uma outra pesquisa, esta realizada no início do ano pela Association of National Advertisers and Forrester, indica que 153 dos profissionais da área analisados não entendem muito bem como acontece, porém investem uma parcela cada vez maior do orçamento no método de compra de mídia programática.

De acordo com o mesmo estudo, apenas 23% dos entrevistados afirmaram entender a mídia programática e utilizá-la em campanhas, publicou o AdAge. Outros 29% declararam conhecer o termo, mas não ter um entendimento claro a respeito.

Fonte: Proxxima.